Papa Francisco aceitou a renúncia do Prefeito da Secretaria de Comunicação, Dom Dario Edoardo Viganò, que ocupou o cargo desde 2015 na Igreja, na qual ele foi nomeado para chefiar a nova estrutura de comunicações da Santa Sé. Enquanto nomeava o novo Prefeito do Dicastério de Comunicação, o Bispo de Roma confiou estas funções ao secretário, Dom Lucio Adrián Ruiz, e pediu a Dom Viganò que permanecesse como Assessor do Dicastério.

 

Em uma carta publicada pela Sala de Imprensa da Santa Sé esta manhã, o Papa Francisco escreve que "depois de ter refletido cuidadosamente sobre o pedido do Bispo Viganò," dar um passo atrás ", sob a responsabilidade direta do Dicastério para as comunicações , respeita a sua decisão e acolhe- não sem fadiga - sua resignação como Prefeito.

 

Na carta, o Papa pede a ele para "continuar a permanecer no dicastério" nomeando-o Conselheiro dela ", para dar um ser humano e contribuição profissional para o novo prefeito no projeto de reforma desejada pelo Conselho dos Cardeais, aprovado por ele e compartilhado regularmente.

 

Dom Viganò escreveu uma carta ao Papa Francisco, datada de 19 de março, referindo-se às recentes controvérsias relacionadas ao seu trabalho e agradecendo ao Santo Padre pelo "acompanhamento paternal e firme que generosamente ofereceu" e pela " estima renovada" que ele queria demonstrar também na última reunião que eles realizaram.

 

Da mesma forma, o bispo explica que decidiu renunciar por respeito às pessoas que trabalharam com ele durante esses anos e impedir que o Motu Proprio sobre a reforma da comunicação sofresse algum atraso ou fosse bloqueado.

 

De acordo com a declaração do Diretor da Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, até à nomeação do novo Prefeito, o Ministério das Comunicações vai estar sob a orientação Monsenhor Lucio Adrian Ruiz, que atua como secretário do mesmo dicastério.

 

 

 

Signis Brasil/Signis ALC/RV