O Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, do NIC.br, divulgou, os dados da edição 2016 da pesquisa TIC Educação. O estudo verifica o uso de novas tecnologias nas escolas brasileiras. E descobriu que embora praticamente todas tenham computador, o acesso de qualidade à internet ainda não é universal. Apenas 45% das escola públicas têm banda larga com velocidade de conexão de no máxima 4 Mbps. Em 33% a velocidade não passa de 2 Mbps.

Já os laboratórios de informática estão presentes em 81% das escolas públicas, sendo que em apenas 59% esse espaço encontrava-se em uso em 2016, segundo os diretores. Com tantos equipamentos sem uso, a alternativa é recorrer ao celular. Conforme os dados coletados, 52% dos alunos de 5° ao 9° ano do Ensino Fundamental, de áreas urbanas, usam o aparelho em atividades de classe. No Ensino Médio, o percentual chega a 74%.

“Apesar de sermos um dos primeiros países na América Latina a termos uma política de TIC na educação, a plena adoção de computadores e da Internet nas rotinas de ensino e aprendizagem ainda é limitada, seja por deficiências na infraestrutura de TIC, seja por limitações na capacitação do professor”, afirma Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

Uso do celular

A pesquisa aponta que 91% dos professores utilizaram a internet pelo telefone celular para uso pessoal (no primeiro ano do levantamento, em 2011, esse número era de apenas 15%). Além disso, 49% dos professores usuários de internet declararam utilizar o celular em atividades com os alunos, um crescimento de 10 pontos percentuais em relação ao ano anterior (39%).

Apesar do avanço no uso do celular enquanto ferramenta pedagógica, apenas 31% dos estudantes afirmaram utilizar a internet pelo telefone celular na escola, sendo 30% entre os alunos de escolas públicas e 36% nas instituições privadas.

As restrições ao acesso de estudantes à rede WiFi da escola estão entre os aspectos que explicam a baixa utilização do equipamento no ambiente escolar: enquanto 92% das escolas possuíam rede WiFi, 61% dos diretores afirmaram que o uso dessa conexão não é permitido aos alunos.

Segundo a pesquisa, 40% dos docentes de escolas públicas usuários de internet afirmam utilizar o computador em sala de aula para atividades com os alunos, sendo que somente 26% dizem que se conectam a Internet quando realizam essas atividades. Em escolas particulares, esses percentuais são de 58% e 54%, respectivamente.

A pesquisa TIC Educação 2016 foi realizada entre os meses de agosto e dezembro de 2016 e contemplou 1.106 escolas públicas e privadas, com turmas do 5º ou 9º ano do Ensino Fundamental ou 2º ano do Ensino Médio localizadas em áreas urbanas. A pesquisa entrevistou 935 diretores, 922 coordenadores pedagógicos, 1.854 professores de Língua Portuguesa e Matemática ou multidisciplinares e 11.069 alunos. É a sétima edição do levantamento, que pode ser acessada aqui.

Signis Brasil/Tele Síntese