O SEPAC, em parceria com a Signis Brasil, promoveu no último dia 03 o curso “Educomunicação”, que trata do uso da comunicação para formar e educar.

 

O dia de estudos, ministrado pela Irmã Helena Corazza – especialista e autora de obra sobre o assunto, envolveu diversos profissionais da mídia religiosa, voluntários e consagrados das mais diversas espiritualidades e inciativas, como os Scalabrinianos, Santuário Nacional de Aparecida, Canção Nova, Signis Brasil, Diocese de Tubarão (SC), leigos, entre outros.

 

Ao longo do curso, ficou muito clara a necessidade de compreender o sentido de cada ação realizada, não só  para ser útil na sociedade, mas  para  formar, pois uma atividade, quando exercida com consciência do “por quê” e “para quem”, faz muito mais a diferença do que atuar de forma automática.

 

Na mídia, segundo Ir. Helena Corazza, é preciso “encontrar uma forma alternativa”. Informar formando. Ainda de acordo com Corazza, a linha educomunicativa pode ser encontrada em qualquer atividade que tenha como eixo a comunicação.

 

Os participantes foram estimulados, então, a pensar em sinais da ‘Educomunicação’ em seus cotidianos, no trabalho, na vida, na educação, na família, e chegaram à conclusão de que essa prática está mais enraizada nas funções do que se imagina.

 

Também Patrícia Rivarola, voluntária da Web Rádio Migrantes, viu que já faz a educomunicação por meio da difusão da cultura dos migrantes, pela dança, ao explicar às pessoas o sentido de cada gesto e expressão, fazendo com que cada um possa entrar no universo cultural que se apresenta.

 

Surgiram ainda exemplos referentes à educação ambiental e sua preservação, uma questão levantada pelo Padre Rafael Uliano, da Diocese de Tubarão (SC) e que ocorre em sua paróquia. Muitos se identificaram nas mesmas práticas de conscientização e debateram em roda, chegando à conclusão de que também essa iniciativa é Educomunicação.

 

Por fim, o grupo entendeu que, para construir um mundo mais educomunicativo, é necessário unir forças, laços, comunidade, o bem comum e objetivos.

 

 

Da Redação