Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Comunicação

Sistema Mosaico torna-se uma das principais pautas do rádio no primeiro semestre de 2017

Sistema Mosaico torna-se uma das principais pautas do rádio no primeiro semestre de 2017

Várias pautas foram colocadas como temas centrais da mídia radiofônica neste primeiro semestre de 2017. E o Sistema Mosaico, lançado para atender a alta demanda dos serviços de telecomunicações durante as Olimpíadas 2016, passou a ser uma rotina das áreas técnicas das emissoras de Rádio e televisão (redes) neste primeiro semestre de 2017. E, como toda mudança de sistema, existem falhas, dúvidas na utilização e uma corrida das entidades do setor para orientar e apresentar o Mosaico para profissionais habilitados em sua utilização e aos radiodifusores.     Por ser um sistema complexo, diferente dos modelos anteriores utilizados pela Anatel, há uma dificuldade na utilização dele. O Mosaico foi lançado em julho de 2016, quando veio a necessidade de automação na liberação de licenças de uso de radiofrequência (para os jogos Olímpicos no Rio eram cerca de 30 mil pedidos, que resultaram em milhares de licenças, em virtude dos equipamentos utilizados para a cobertura do evento). E, desde então, vem sendo adaptado para a utilização da radiodifusão nacional, na tentativa de agilizar todos os processos que envolvem canais de rádio FM, AM, entre outros serviços de comunicação.   Em implantação, o sistema tem apresentado falhas pontuais, principalmente na migração de dados de sistemas anteriores. Porém há um esforço da Anatel para sanar essas dificuldades (é notável que o Mosaico está mais funcional há cada nova semana). Eduardo Cappia (EMC Solução em Telecomunicações, Diretor de Rádio na SET - Sociedade de Engenharia de Televisão e na Direção Técnica (Comitê) e membro da diretoria executiva da AESP) vê com otimismo essa situação e afirma que a transição é irreversível, além de ser necessária. O engenheiro afirma que o sistema prevê etapas que envolvem a ativa participação do MCTIC e a Anatel, sendo que a prática e o uso têm se mostrado de maneira bem interessante, ao ponto de o licenciamento de emissoras de radiodifusão terem sido concluídas em semanas de processamento, incluindo a emissão de indicativos de chamada das emissoras migrantes AM para FM.    Segundo Eduardo Cappia, o primeiro grande passo da implantação do Mosaico (há 1 ano) foi a informatização de todos os processos de radiodifusão, disponibilizados para consulta no sistema SEI da Anatel. Com o autocadastramento liberado para as emissoras através de seus profissionais técnicos habilitados, foi possível o início da implantação do Mosaico para o setor.   Cappia ainda destaca o esforço da Anatel na correção de falhas e nas adaptações para a radiodifusão com a finalidade de aprimorar o Mosaico. Ainda existem várias modificações a serem feitas, mas o cenário é otimista e de possibilidade de aceleração dos processos de radiodifusão devido a possibilidade de automação que o novo sistema possuí.   Workshops - As entidades regionais do setor de radiodifusão, em parceria com a ABERT e a Anatel, tem realizado workshops para orientar os radiodifusores e engenheiros na utilização do sistema Mosaico. Os eventos também visam coletar as dificuldades encontradas pelos profissionais, na busca do aprimoramento do mesmo. As próximas edições serão realizadas em Belo Horizonte (7), Porto Alegre (8), Salvador (15), Recife (16), Rio de Janeiro (29) e Goiânia (30), eventos marcados para agosto.    Praças como São Paulo, Curitiba e Brasília já receberam o Workshop. E ainda há a realização de um Curso online (EaD) para todo o Brasil, realizado pela AERP e com o apoio da ABERT.     Signis Brasil/TudoRádio
MCTIC amplia prazo para canais virtuais

MCTIC amplia prazo para canais virtuais

Desde 14 de julho, as emissoras de TV de Rio Verde e Goiânia, em Goiás, e Brasília (DF), que já cumprem portaria que disciplina as regras para utilização de canais virtuais (ponto 1), têm mais 90 dias para optar em alterar as características técnicas de suas estações, visando à utilização de redes de frequência única – SFN ou alterar o seu canal virtual de acordo com norma da ABNT.   A ampliação do prazo foi publicada na Portaria n° 3.992 do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e contempla um pedido da ABERT em função de algumas dificuldades que as emissoras estão tendo em fazer a adaptação.   De acordo com o engenheiro André Cintra, diretor de Rádio da ABERT, equacionar o complexo problema dos canais virtuais, entre as milhares de estações e retransmissoras de TV é uma prioridade da Associação.   "Os canais virtuais são uma criativa solução para que os telespectadores continuem assistindo TV no mesmo canal. Por exemplo: uma emissora que operava no canal 7, com a digitalização, foi designado um canal digital, a titulo ilustrativo, o 27. Se esse status fosse mantido, o telespectador teria que decorar um novo número, além de procurar pelo canal. Com o canal virtual, a mesma numeração é mantida, acrescida do "ponto um". Então, o canal 7 vira 7.1", explica Cintra.   Desde o começo de julho, o MCTIC já havia estabelecido regras para utilização dos canais virtuais de TV digital.   A Portaria nº 3.540/2017 estabelece a necessidade de ordenar a correlação existente entre o canal físico e o canal virtual, já que o número deste canal deve ser único, evitando a coincidência de canais virtuais acessíveis aos receptores terrestres de cada localidade.     Signis Brasil/ABERT